Comunicação Interna no B2B: Aprenda a gerir equipas e expectativas

Desde a pandemia que as vulnerabilidades das organizações ficaram totalmente expostas e a comunicação com as equipas foi uma delas. E é com este cenário de fundo que várias empresas estão a ganhar consciência da importância de alinhar a Comunicação Interna às necessidades dos colaboradores.

É urgente falarmos em Comunicação Interna

A comunicação é nada mais, nada menos do que um processo social primário: faz parte da natureza humana, desde os primórdios da civilização. É por isso que até em contexto organizacional, para que haja sinergia tem de existir Comunicação Interna.

Uma Comunicação Interna eficaz e vertical não só garante a satisfação dos colaboradores, como possibilita um reforço da identidade e cultura da empresa. Mas como?

Os líderes têm de utilizar a empatia no processo de comunicação interna B2B

Planear a Comunicação Interna tem de começar, obrigatoriamente, pela definição de um objetivo concreto e, a partir daí, delinear a lista de ações. O objetivo pode passar pela mudança da cultura organizacional ou atividades de saúde mental e bem-estar. Cada vez mais, estas questões estão na ordem do dia (e já não era sem tempo).

No mercado de trabalho atual, o valor da Comunicação Interna é ainda maior. Ou seja, os líderes e decisores têm um papel crucial na gestão de equipas e pessoas. Este é um ponto muito sensível e não há como negá-lo.

Os líderes têm de estabelecer uma relação de proximidade com os colaboradores e isto é possível, por exemplo, através de sessões de feedback constantes.  Um outro aspeto a ter em conta é que as necessidades, motivações e perspetivas mudam consoante a geração a que os colaboradores pertencem.

Por isso, o Storytelling tem de ser adaptado às necessidades de cada geração

Todos os líderes têm de ter uma escuta ativa e perceber que as pessoas são o ativo mais importante de uma organização — construir uma Employee Value Proposition (EVP) sólida e atrativa nunca foi tão importante, tanto para a gestão como retenção de talento.

A EVP está na base de qualquer estratégia de Employer Branding e pode envolver fatores como benefícios extrassalariais, oportunidades de crescimento, plano de carreira, ações de saúde mental e bem-estar, modelos de trabalho flexíveis e cultura organizacional.

Não existe volta a dar: os modelos de trabalho flexíveis são a realidade da maioria das empresas e, portanto, tem de existir um reajuste das estruturas e processos organizacionais.  Um estudo da Mckinsey aponta que em 1.500 colaboradores, 86% prefere o trabalho remoto.

É evidente que as empresas precisam de explorar, ao máximo, as ferramentas de Transformação Digital a favor do processo de aproximação de pessoas.

A Transformação Digital é a chave para uma comunicação mais fluída entre colaboradores e empresas

Parece-nos que a lição de hoje é óbvia e clara. Quando falamos em Comunicação Interna, falamos na componente humana e como é o ativo mais valioso das empresas

O que importa realmente é que as organizações estejam cientes da importância da cultura organizacional, principalmente dentro de um sistema híbrido/remoto, e saibam quais são as características dos líderes e como colocá-las em prática.

Dicas de leitura

Como o Machine Learning está a mudar as Redes Sociais e as Estratégias de Marketing Com o significativo número de utilizadores de …

Conteúdos: Mitos e erros que prejudicam o negócio Acha que o Marketing B2B é insosso, sem sal nem pimenta? No fundo, ainda …

Guia Completo para criar um Plano de Estratégias de Vendas vencedor A sua empresa já tem um plano de vendas atualizado? Ter …

Account-Based Marketing (ABM): Saiba como conquistar novos Clientes e mercados No mundo de hoje, já não temos mãos a medir para os …

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top